Artigos Algar Telecom | 6 de fevereiro de 2020

Antecipação Fiscal: o que é e quais as vantagens para o seu negócio

Tempo de leitura: 5 minutos

Hoje, no intuito de agilizar suas operações de conferência e venda, muitas empresas trabalham com o confronto entre pedido de compra e da NFe (XML). Ou seja, elas trabalham previamente com a análise da nota fiscal em relação ao pedido que foi feito. Uma estratégia também conhecida como antecipação fiscal.

Com isso, é possível corrigir falhas e dinamizar processos que teriam que esperar até a chegada da mercadoria na empresa para serem iniciados. É uma forma inteligente de se manter a frente de quaisquer contratempos e garantir um bom fluxo de vendas no negócio.

Para que você entenda melhor a relevância da antecipação fiscal, a seguir, apresentaremos o conceito, o funcionamento e as vantagens dessa estratégia. Continue com a gente e confira. Boa leitura!

O que é a antecipação fiscal?

Como explicado, a antecipação fiscal é, basicamente, a análise do arquivo XML de uma nota fiscal antes mesmo de o produto ser entregue na empresa.

Com a nota eletrônica sendo repassada já no final da jornada de compra, o gestor consegue realizar o confronto entre a descrição da NFe com o que foi pedido de fato na negociação com o fornecedor.

Assim, ele é capaz de não apenas assegurar maior organização e regularidade no processo, como também agilizar ações de extrema importância, como as validações financeiras, tributárias e fiscais.

Para empresas com um fluxo médio de recebimento, a estratégia faz toda a diferença para assegurar uma rotina de trabalho mais efetiva. Afinal, erros de conferência acontecem o tempo todo. Mas se eles forem notados previamente, as chances de resolução rápida são muito maiores.

Fora isso, alguns produtos podem não estar cadastrados ainda para a venda no sistema da empresa. Se o processo de atualização começar apenas depois da conferência, a mercadoria pode ficar longos dias presa no estoque, e a empresa corre o risco de perder vendas.

Como funciona a antecipação fiscal?

Para que a antecipação fiscal aconteça de fato, a sua empresa precisa contar com uma solução especializada. Não há como ser diferente. Ainda que, geralmente, um arquivo XML seja gerado e enviado toda vez que uma transação é fechada, a verdade é que nem sempre o responsável pelo processo acompanha o fluxo de notas.

Já com um software inteligente, a situação muda. O sistema fica encarregado de receber a NFe ou mesmo tem a capacidade de buscá-la de maneira automática. A partir desse ponto, começa todo o processo de comparação de compra com os dados do arquivo XML.

Além disso, também ocorrem as validações fiscais e atualizações no sistema com os novos produtos. Tudo de maneira rápida e prática.

Quais as vantagens da antecipação fiscal?

Dinamização de processos. Essa, sem dúvida, é a principal vantagem da estratégia de antecipação fiscal. Com uma metodologia desenvolvida de maneira simples, todas as atividades que acontecem após o fechamento da compra são impactadas positivamente.

Além disso, é uma estratégia que diminui bastante a chance de retrabalhos durante o processo de conferência de mercadorias. Com os problemas identificados previamente, o colaborador não precisa reiniciar sua atividade toda vez que “se deparar” com algum contratempo. Outros benefícios são:

  • Otimização da rotina de trabalho dos conferentes;
  • Agilidade na movimentação e armazenagem;
  • Maior efetividade nas questões fiscais;
  • Aumento do fluxo de venda.

Pode parece clichê, mas a verdade é que no mundo dos negócios tempo é dinheiro. E uma estratégia como a antecipação fiscal pode fornecer o tempo que a sua empresa precisa para aumentar a vantagem competitiva e se destacar na área de atuação. Porém, como explicado, a metodologia precisa do apoio tecnológico para trazer bons resultados. Então, não se arrisque, adquira um sistema de gestão fiscal capacitado e garanta a otimização para o seu negócio.

Continue se aprofundando no assunto e confira agora como funciona a obrigatoriedade de emissão da NFe para o consumidor.

gestão fiscal

Deixe seu comentário