Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Deep Web: o que é e o que acontece no submundo da internet

Algar Telecom | 13 de maio de 2019

MGE

Você sabe o que é a Deep Web? Para facilitar o entendimento, pense em um enorme iceberg. O que podemos ver sobre a superfície do oceano é apenas a sua ponta, que representa a internet que conhecemos, também chamada de Surface Web.

Já a Deep Web corresponde à parte submersa do iceberg, ou seja, ao que está invisível aos nossos olhos. Trata-se de uma rede muito maior do que a internet convencional, onde todo o conteúdo é criptografado e, portanto, não pode ser rastreado. Para saber mais, continue lendo.

O que é a Deep Web e como acessá-la?

A Deep Web é comumente associada a conteúdos suspeitos relacionados ao tráfico de drogas e outros mercados ilegais. No entanto, fique sabendo que a rede não serve apenas para esses fins. Isso porque, em primeiro lugar, não é proibido acessá-la e ela também pode ser usada para propósitos positivos.

Em países ditatoriais, por exemplo, a Deep Web funciona como uma importante ferramenta usada pelos usuários para lutar contra a censura e expor a realidade vivenciada por eles. O acesso é feito por meio do programa TOR, um navegador capaz de acessar essa camada profunda da rede.

Criado pela Marinha dos Estados Unidos, esse programa tinha como objetivo proteger espiões estado-unidenses em regimes autoritários. Mais do que contar com o navegador, é preciso se certificar de que o seu computador tenha um bom antivírus e que o acesso seja feito a partir de uma rede aberta ou 3G a fim de evitar invasões.

Como o anonimato é possível na Deep Web?

Na internet convencional, os acessos são rastreados por meio do endereço de IP de cada usuário. Ainda, há os chamados “protocolos de rede”, que nada mais são do que acordos para que todos os sistemas operacionais, navegadores e sites utilizem a mesma linguagem.

O que faz com que os sites da Deep Web sejam incomunicáveis é a presença de uma nova camada de protocolo, não reconhecida pelo computador. Dessa forma, o anonimato dos usuários é garantido. Em cada conexão existe diversos intermediários aos quais o usuário se conecta antes de acessar o destino final.

Com isso, a visita não fica em nome do usuário, mas dos intermediários. É por isso que o rastreamento é tão complicado, já que nem os próprios sites acessados conseguem descobrir o verdadeiro endereço de IP dos visitantes.

Quais são os perigos da Deep Web?

Em primeiro lugar, é preciso estar ciente dos tipos de conteúdo presentes na Deep Web. Afinal, a rede é comumente usada para venda de dados roubados, documentos falsificados, encomenda de assassinatos, pornografia infantil, entre outros conteúdos ilegais. Por isso, caso você tenha a intenção de acessá-la, tome cuidado com o que pesquisa.

 Além disso, sempre desconfie dos conteúdos que você encontrar na Deep Web, pois há diversas informações inventadas, programas e arquivos contaminados por vírus.

É por isso que, quando se trata dos perigos dessa rede, precisamos mais do que apenas os recursos tecnológicos destinados à proteção. Apesar de eles também serem fundamentais, o fator humano deve ser um aliado importante. E na Deep Web os riscos estão associados, principalmente, à falta de conscientização por parte dos usuários na hora de acessar determinados conteúdos.

No ambiente corporativo, proteger as informações é uma preocupação ainda maior. Acesse este blog post e entenda mais sobre a importância da conscientização e treinamento de funcionários.

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: