Inovação Algar Telecom | 26 de maio de 2021

Quais são as diferenças entre uma startup e uma empresa tradicional?

Tempo de leitura: 5 minutos

As startups são modelos de empreendimento que se diferenciam das empresas tradicionais por vários motivos.

O sucesso delas se deve justamente a sua estrutura, modo de funcionamento, inovação, uso da tecnologia, entre outros fatores.

No entanto, isso não significa que as empresas tradicionais não possam adotar essas características para potencializar seu crescimento.

Veja a seguir como os dois modelos de negócio se diferenciam!

Startup x empresa tradicional: conheça as principais diferenças

1. Uso de tecnologia

Embora nem todas as startups ofereçam apenas produtos ou serviços digitais, a maioria usa a tecnologia de forma estratégica. Ela funciona como um dos recursos essenciais que permite o crescimento acelerado.

É bem diferente das empresas tradicionais, que veem a tecnologia apenas como ferramenta facilitadora de seus processos.

2. Escalabilidade

Uma das principais características de uma startup é o crescimento rápido, sem geração de mais custos para a empresa. Por outro lado, esse objetivo demanda muito esforço e investimento.

Já os modelos de negócio convencionais, ainda que visem o crescimento, ele se dá de forma mais gradativa. Isso pode ser tanto uma escolha quanto uma maneira de evitar os riscos.

3. Estrutura do negócio

As empresas consolidadas no mercado costumam ter uma estrutura hierárquica, com um fluxo de operação direcionado a processos bem estabelecidos. Por isso, dependem de um planejamento rigoroso.

Já os modelos inovadores de negócio se baseiam em uma estrutura mais horizontal e colaborativa. Isso permite que elas se adequem facilmente às mudanças e estejam sempre prontas para focar em novas oportunidades.

4. Investimento

Para dar vida às ideias, uma startup depende de investimentos externos. Ou seja, de recursos financeiros de pessoas ou organizações que acreditam no potencial dela.

Só para dar uma ideia da dimensão desses investimentos, no período de apenas um mês, mais de 630 milhões de dólares foram investidos em startups brasileiras.

Já os modelos tradicionais de organização costumam operar visando o retorno do investimento inicial a partir de um crescimento mais limitado. E, claro, isso depende de um planejamento financeiro minucioso para não saírem no prejuízo.

5. Forma de lidar com riscos

Apesar do forte potencial de crescimento, uma startup é um negócio arriscado. Isso porque a empresa explora uma oportunidade nova de mercado.

Mesmo com a concorrência sendo menor, é impossível garantir o sucesso do empreendimento.

As empresas tradicionais não começam do zero, pois trabalham em áreas de mercado bem conhecidas. Embora os riscos sejam menores, a concorrência costuma ser maior.

6. Consolidação no mercado

Quando a competição é maior, as empresas levam mais tempo para conseguir lucrar. Sobretudo no caso dos pequenos negócios que não têm a ambição de se tornar uma multinacional, por exemplo.

Por outro lado, as startups dependem do crescimento acelerado para conquistar a confiança do mercado. Além disso, o nível de confiança é o que vai favorecer a chegada de novos investimentos.

7. Papel da inovação

A inovação das soluções oferecidas pelas startups é um dos fatores que faz com que elas se diferenciem dos modelos tradicionais.

Afinal, elas criam produtos e serviços com base em tendências e oportunidades de mercado que ainda não foram exploradas. É por isso que são conhecidas por serem disruptivas.

Já as empresas tradicionais operam numa zona de conforto, em mercados já consolidados, atendendo a necessidades conhecidas. Porém, obviamente precisam oferecer algum diferencial e valor agregado aos seus produtos.

8. Cultura organizacional

Por estarem imersas em cenários incertos e rodeadas de riscos, as startups estão o tempo todo moldando sua estrutura de operação. Isso exige que os colaboradores sejam proativos e tenham jogo de cintura para lidar com os novos problemas.

No caso das empresas tradicionais, onde existe uma estrutura mais rígida, tudo está programado. Portanto, os funcionários têm funções bem definidas e recebem treinamentos para trabalhar de acordo com a cultura estabelecida.

Qual é o melhor modelo de negócio?

Não existe uma resposta certa para essa pergunta. Seja qual for o modelo de negócio que você tem, o principal ponto é olhar para os objetivos e necessidades da empresa com cuidado.

A partir disso, você pode escolher as características que melhor se encaixam dentro da sua realidade.

Afinal, tanto as práticas das startups quanto das empresas tradicionais podem trazer benefícios e favorecer o crescimento do seu negócio.

Se o assunto é crescimento, o que acha de ficar por dentro das soluções que podem facilitar os processos e impulsionar os resultados da sua empresa? Clique aqui para saber mais!

Deixe seu comentário