Inovação Algar Telecom | 18 de novembro de 2020

Como implantar a Internet das Coisas (IoT) no setor de saúde?

Tempo de leitura: 5 minutos

A pandemia da Covid-19 mostrou que, durante uma crise de saúde, hospitais e centros médicos se tornam cruciais e testemunham uma demanda incomum. Para funcionar 24 horas por dia, é preciso contar com um sistema robusto para monitorar e gerenciar toda a infraestrutura de forma  eficaz. Nesse sentido, a Internet das Coisas (IoT) tem mostrado grande potencial para melhorar a eficiência e reduzir custos.

De fato, essa tecnologia representa um dos grandes avanços do uso de ferramentas inteligentes na área de saúde. Continue a leitura para saber um pouco mais!

Sobre a Internet das Coisas

A IoT é uma rede de objetos conectados à internet que podem enviar e receber dados. Ela pode ser implementada em todos os tipos de itens, incluindo pulseiras hospitalares e equipamentos médicos.

Atualmente, uma das principais aplicações da Internet das Coisas é no gerenciamento e rastreamento de ativos.

Uma pesquisa da Cisco revela que a economia potencial nos resultados financeiros das organizações, obtida com o aproveitamento da IoT, seria de quase US$ 8 trilhões em um período de 10 anos. 

Desse total, 25% viriam da utilização efetiva dos ativos, totalizando US$ 2,1 trilhões.

Como a Internet das Coisas pode ser implementada no setor da saúde

A seguir, você vai conhecer como a Internet das Coisas pode ser implementada no setor da saúde e os benefícios que essa tecnologia tem a oferecer. Confira!

Gerenciamento e rastreamento de ativos em saúde

O gerenciamento de ativos no setor de saúde envolve o monitoramento de todos os equipamentos de alto valor de uma organização, juntamente com seus detalhes, como localização, status, validade, etc.

Essa atividade se tornou uma das principais prioridades na área da saúde, graças ao seu potencial para economizar tempo e dinheiro.

Pensando nisso, o Brain, centro de inovação e negócios digitais fundado pela Algar Telecom, lançou sua primeira solução voltada para o segmento de saúde. Trata-se do Hospital Monitora, uma solução de gerenciamento e rastreamento que pode ser aplicada a ativos, suprimentos, pacientes e serviços hospitalares.

Com ele, hospitais e clínicas podem rastrear equipamentos de alto valor para saber sua localização exata e disponibilidade de uso.

Hospitais tendem a perder dinheiro devido ao rastreamento ineficiente de ativos, o que acarreta compras desnecessárias ou mesmo demora no atendimento devido ao tempo necessário para localizar determinado equipamento.

Com a solução Hospital Monitora, você pode saber a localização exata de cada ativo, bem como sua disponibilidade, por meio de uma interface amigável que pode ser acessada por diversos dispositivos, como tablets, smartphones e notebooks.

Isso permite, por exemplo, preparar toda a infraestrutura necessária para atender emergências em um espaço de tempo muito menor.

O gerenciamento de ativos pode efetivamente reduzir atrasos e garantir a satisfação do paciente e a lucratividade do hospital.

Gerenciamento de estoque

O gerenciamento de estoque é outro ponto crítico em organizações do setor de saúde que pode ser otimizado com o uso da Internet das Coisas.

Utilizando etiquetas de identificação por radiofrequência (RFID), a IoT permite rastrear e monitorar diversos suprimentos, como bombas de infusão, bolsas de sangue e medicamentos.

Essas etiquetas ainda podem ser utilizadas para monitorar a temperatura, umidade, localização e utilização desses recursos. Isso ajuda a avaliar a vida útil, o tempo de deterioração e a data de validade dos suprimentos.

O estoque preciso, a manutenção preventiva e a previsão de demanda correta levam a uma gestão eficiente, reduzindo custos e desperdícios, além de contribuir para a satisfação dos clientes.

Rastreamento de paciente

De todos os ativos de um hospital, o paciente é o mais importante. Por isso, é fundamental investir em soluções capazes de melhorar o atendimento, diagnóstico e acompanhamento médico. 

A Internet das Coisas ajuda a assimilar e rastrear as informações dos pacientes constantemente nos hospitais para oferecer a eles cuidados de saúde ideais.

Os pacientes recebem dispositivos vestíveis (wearables) inteligentes ou pulseiras RFID que ajudam a registrar seus parâmetros vitais, como altura, peso, grupo sanguíneo, etc.

Os sensores presentes nesses dispositivos também podem ser usados ​​para monitoramento em tempo real de indicadores essenciais de saúde, como nível de glicose no sangue, batimentos cardíacos, frequência respiratória, temperatura, etc.

Todas as informações do paciente são integradas e ficam disponíveis em todos os momentos por meio de registros eletrônicos. Esse tipo de gerenciamento ajuda os médicos a tomar decisões mais rápidas e melhora o atendimento aos pacientes.

Melhoria dos serviços

As etiquetas de Internet das Coisas também podem ajudar a melhorar os serviços prestados em um hospital ou centro médico.

Por exemplo, é possível monitorar o trajeto e a temperatura das refeições que são servidas aos pacientes em internação. Assim, você evita reclamações de que a comida está chegando fria.

Esse rastreamento pode ser feito para uma série de outros serviços. Dessa forma, a administração passa a contar com as informações necessárias para identificar problemas, melhorar processos e, assim, garantir a satisfação dos clientes.

Agora você já conhece algumas das possibilidades de implementação da Internet das Coisas no setor de saúde.

Aproveite a oportunidade e conheça outros motivos pelos quais você deve investir nessa tecnologia agora mesmo!

Deixe seu comentário