Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Como encontrar o Ponto de Equilíbrio de um investimento

Algar Telecom | 23 de junho de 2016

Saber o quanto é preciso render para começar a ter lucro é fundamental para a saúde de qualquer empreendimento. Uma ferramenta eficaz para conseguir fazer esse cálculo é o Ponto de Equilíbrio, que também é conhecido por Break-even ou Break-even Point (BEP).

É o momento em que o total das receitas é igual ao total dos gastos, ou melhor, custos e despesas. Ter conhecimento disso é importante para que as empresas, principalmente as de investimento em TI, saibam quando um projeto atingirá o lucro ou prejuízo: acima ou abaixo do ponto calculado.

Além disso, ter o ponto de equilíbrio identificado é relevante porque permite que as corporações avaliem a viabilidade dos projetos e investimentos e controlem os resultados deles.

Em artigo publicado na internet, o especialista e auditor financeiro Paulo Sérgio Dortas afirma que o Ponto de Equilíbrio parece ser algo simples de ser respondido. Porém, muitos empresários e gestores erram ao considerar apenas os custos diretos envolvidos na elaboração do produto ou prestação do serviço, como a matéria prima, a folha de pagamentos, os impostos, entre outros.

Dessa maneira, o especialista indica que o Break Even deve contemplar um exercício que considera não somente os custos diretos, mas também aqueles que têm forte impacto na rentabilidade do negócio.

Saber como as receitas da empresa se relacionam com os custos, conseguindo identificar quais são os que se alteram ou se mantêm conforme o volume de vendas cresce ou decresce, é questão principal para conseguir definir claramente o Ponto de Equilíbrio.

Ainda de acordo com Dortas, esse entendimento passa pela compreensão de cada um dos fatores que compõem o cálculo do Ponto de Equilíbrio ou Break-Even Point. Esses fatores são:

1. Custos variáveis

Os custos variáveis correspondem basicamente ao custo para produzir seu produto ou para executar seu serviço. Quanto mais você vender, maiores serão seus custos variáveis, que podem ser exemplificados como matéria-prima, suprimentos, frete, aluguel de máquinas, equipamentos e ferramentas para trabalhos específicos, combustível, horas extras do salário de colaboradores, contrato de trabalho temporário, reparos e manutenção, material de escritório, chamadas telefônicas, despesas de viagem, comissões de vendas, entre outros.

2. Custos fixos

Alguns custos mantêm-se independentemente do seu volume de vendas. Podemos citar o aluguel, os salários, planos de benefícios, contratos de manutenção, de serviços de limpeza e segurança, contratos de publicidade e seguros. Além desses, há também os custos de utilidades, como eletricidade, gás, água e esgoto, linhas fixas de telefone ou de telefone celular, conexão com a internet, o valor mensal de um domínio de site, entre outros.

3. Vendas

As vendas correspondem ao montante obtido pela comercialização dos seus produtos ou serviços.

4. Margem de contribuição

A margem de contribuição representa o custo variável necessário para produzir uma unidade e a determinação dela é bastante simples: subtraia os custos variáveis do valor de venda. A margem de contribuição representa quanto cada produto gera para cobrir as despesas fixas e a margem de lucro.

Serve também como parâmetro para o empresário definir quanto ele precisa receber para pagar os custos adicionais ao investimento já existente: os custos fixos.

Saiba como determinar o Ponto de Equilíbrio ou Break-Even Point

Para entender melhor como achar o Ponto de Equilíbrio, vamos analisar o seguinte cenário. O custo para produzir um produto ou serviço X é de R$ 4 e você quer vendê-lo por R$ 8. Aqui, já é possível identificar que a margem de contribuição é R$ 4 (8 – 4), ou seja, para cada produto vendido irá sobrar R$ 4. O custo fixo (aluguel, energia, etc) dessa operação é de R$ 1,6 mil por mês e você quer ter um lucro mínimo de R$ 5 mil.

Para saber o Ponto de Equilíbrio você precisa dividir o custo fixo pela margem de contribuição, ou seja, R$ 1,6 mil / R$ 4  = 400 unidades é o ponto de equilíbrio. Com essa situação se realizando, temos uma receita (sem lucro) de R$ 3,2 mil. Porém você deseja ter um lucro de R$ 5 mil.

Para identificar a quantidade de vendas necessárias para atingir seu objetivo de lucro é preciso somar o custo fixo ao lucro mínimo e depois dividir pela margem de contribuição. Dessa maneira, temos (R$ 1,6 mil + R$ 5 mil) / R$ 4 = 1.650 vendas. Neste momento, você terá uma receita de R$ 13,2 mil e o lucro o tão esperado de R$ 5 mil.

Quer facilitar esse cálculo?

Baixe a planilha para calcular o Ponto de Equilíbrio

Como o Ponto de Equilíbrio ajuda a tomar decisão se é hora de investir mais?

Após um período de operação você terá condições de avaliar se os números projetados estão realmente se concretizando. Vamos imaginar que o resultado foi acima do esperado e deseja-se investir mais, seja na compra de mais equipamentos, no contrato de mais funcionários ou mesmo na implantação de uma nova loja para expansão do seu negócio.

Exemplo: Você acredita que, para vender mais, será necessário adquirir uma máquina no valor de R$ 10 mil, o que afetará o seu fluxo de caixa. Mas, o que deseja é saber qual é o Ponto de Equilíbrio de vendas para continuar tendo o lucro esperado sem afetar muito as margens do negócio. Ou até mesmo saber se, após o investimento feito na compra da máquina, será possível vender a quantidade de unidades que se espera.

É preciso entender que o investimento fará parte do seu custo fixo durante um período. Ou seja: se você conseguiu negociar a aquisição da máquina de R$ 10 mil parcelada em 5 vezes, você terá um custo fixo de R$ 2 mil a mais nos próximos 5 meses.

Se usarmos o exemplo anterior, onde o custo fixo era de R$ 1,6 mil e adicionarmos o valor do investimento da máquina de R$ 2 mil, o custo será de R$ 3,6 mil nos próximos 5 meses. Isso fará com que o Ponto de Equilíbrio passe de 400 para 900 unidades mantendo o mesmo lucro de R$ 5 mil por mês.

Nesse momento, você poderá abrir mão do lucro de R$ 5 mil durante esse período, sendo uma alternativa para o pagamento do investimento da máquina. Mas, é preciso saber se o investimento vai valer a pena.

A princípio, o investimento não parece ser muito interessante, uma vez que terá aumento do custo fixo e terá que vender quase três vezes mais. Porém, é preciso entender que essa situação é transitória, ou seja, irá acontecer somente nos 5 primeiros meses.

A partir do sexto mês, o negócio continuará produzindo as mesmas 900 unidades porém não terá mais o valor de R$ 2 mil. Isso significa que seu lucro passará de R$ 5 mil para R$ 7 mil por mês. Com essas informações fica mais fácil decidir se vale a pena fazer um investimento ou não.

Gostou do artigo? Saiba como estudar a viabilidade econômica do projeto.

empresas

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: