Consultor Especializado mais perto da sua empresa> Sou de Média e Grande Empresa Sou de Micro e Pequena Empresa

Para melhorar sua experiência, selecione um perfil de conteúdo:

26/jul
Cristina Cruz
Entenda o Protocolo MPLS: conceito, tecnologia e evolução

As redes de computadores ganham cada vez mais espaço ao longo dos anos. Cresce não apenas o número de usuários, mas também a variedade de aplicações utilizadas. Sendo assim, o ideal é uma plataforma multisserviços, que atenda às necessidades dos usuários em serviços baseados em IP (Internet Protocol) com largura de banda flexível.

Para atender a essa demanda, o Multiprotocol Label Switching (MPLS) foi desenvolvido, com o objetivo de abranger a maioria dos usuários e das aplicações. Ele surge como a principal tecnologia que permite viabilizar múltiplos serviços de rede sobre uma infraestrutura compartilhada. Dessa forma, é possível o provisionamento rápido de serviços, concentrando novos e antigos.

MPLS pode ser, então, definido como um protocolo desenvolvido para transporte de aplicações multimídia (voz, dados e vídeo). Trata-se de uma tecnologia de protocolos baseados em métodos de engenharia de tráfego aprimorada desde os anos 1990, mas só agora passou a ser implantado nas redes de computadores para a criação de novos serviços, quando finalmente tanto operadoras quanto fabricantes de equipamentos descobriram seu potencial fora do âmbito de engenharia de tráfego.

O MPLS foi originado das redes orientadas a conexão, como redes ATM, que, quando foram lançadas, a pretensão era de que dominassem o mercado de redes devido às altas velocidades. No entanto, a tecnologia ATM (Asynchronous Transfer Mode) não era compatível com o IP, o protocolo de rede mais difundido nas redes de computadores. Por essa razão, foi criada a tecnologia LBS (Label Based Switching), que possibilitou a utilização do que há de melhor nas redes baseadas em pacotes (redes IP) e nas redes orientadas a conexão (como redes ATM).

O que é o MPLS?

O protocolo MPLS é definido pelo IETF (Internet Engineering Task Force) e consiste em uma tecnologia de chaveamento de pacotes que possibilita o encaminhamento e a comutação eficientes de fluxos de tráfego através da rede, apresentando-se como uma solução para diminuir o processamento nos equipamentos de rede e interligar com maior eficiência redes de tecnologias distintas. O termo Multiprotocol significa que esta tecnologia pode ser usada sob qualquer protocolo de rede. Considerando a Internet e a importância de seus protocolos nas várias redes WAN (Wide Area Network), públicas e privadas, tem-se aplicado o estudo e a implementação do MPLS basicamente para redes IP.

O MPLS disponibiliza os serviços de QoS (Quality of Services), Engenharia de Tráfego (Traffic Engineering) e VPN (Virtual Private Network) para uma rede baseada em IP. Em relação a aplicações que exigem tempo real, é implantado o QoS, que possibilita diferenciar tipos de tráfegos, dando prioridades às aplicações mais sensíveis (rede escalonável).

Como funciona o MPLS?

As redes IP são amplamente usadas para as aplicações empresariais. No entanto, deixam a desejar quanto à qualidade do serviço em redes baseadas em circuitos como ATM, com as quais as empresas estão mais acostumadas. O MPLS traz a sofisticação do protocolo orientado à conexão para o mundo IP sem conexão, graças a avanços simples no roteamento IP básico, proporcionando melhor performance e capacidade de criação de serviços para a rede.

No roteamento em uma rede IP convencional, é feito um intenso processo de pesquisa de dados com base nas informações contidas em seus cabeçalhos (headers) e nas informações que cada roteador dispõe sobre o alcance e a disponibilidade dos outros roteadores da rede. Nas redes MPLS, os roteadores são capacitados a decidir o encaminhamento mais adequado com base em pacotes rotulados assim que entram na rede. Dessa forma, os pacotes são encaminhados apenas com base no conteúdo desses rótulos, evitando todo o processo de pesquisa do roteamento convencional.

Encaminhar pacotes considerando o conteúdo dos seus rótulos, em vez de realizar o roteamento com base nos cabeçalhos, traz inúmeras e significativas vantagens. Por exemplo, o processamento dos pacotes torna-se mais rápido, uma vez que o tempo gasto para encaminhar um rótulo é menor do que o tempo gasto para rotear um cabeçalho de pacote. É possível ainda atribuir prioridade aos rótulos, o que garante a qualidade de serviço de Frame Relay e de ATM. Esse processo também permite que os pacotes percorram a rede pública por meio de caminhos estáticos do tipo circuito, que são a base para VPNs. Além disso, a carga útil dos pacotes não é examinada pelos roteadores de encaminhamento, permitindo diferentes níveis de criptografia e o transporte de múltiplos protocolos.

Para oferecer serviços baseados em IP, o MPLS é utilizado pela operadora a fim de mapear a rede IP privada do cliente para a rede pública e montar tabelas de roteamento virtual para a rede, encaminhando dados e informações de rotas para os outros sites que o cliente possui. Mudando a topologia IP da rede do cliente, essa mudança é comunicada imediatamente aos outros sites do cliente por meio da rede pública.

As operadoras podem utilizar o MPLS para estabelecer circuitos virtuais ou túneis em uma rede IP. Outra forma de utilização é as operadoras que possuem redes IP, Frame Relay e ATM poderem utilizar o MPLS para interligá-las, evitando altos gastos com upgrade de hardware, tanto para os clientes quanto para os provedores.

Em resumo, O MPLS tem como proposta ser um método que gerencia certa estrutura de comutação sob qualquer rede de datagramas, usando rotas organizadas pelos protocolos de roteamento da camada de rede para criar circuitos virtuais. O processo consiste em processar e dividir a informação em classes de serviço (atribuindo rótulos) e encaminhar os dados por meio de rotas estabelecidas anteriormente por essas classes, fazendo apenas a comutação. O nível de enlace é preservado, sendo possível aplicar o MPLS em redes Ethernet, ATM e Frame Relay, por exemplo.

Velocidade, escalabilidade, gerenciamento de qualidade de serviço (QoS) e necessidade de engenharia de tráfego são problemas atualmente enfrentados pelas redes de computadores. O MPLS é uma tecnologia utilizada em backbones e tem como objetivo solucionar esses problemas. Por essa razão, ele é hoje reconhecido como a principal tecnologia capaz de oferecer serviços diferenciados, que atendam às diversas necessidades dos usuários de redes, desde pequenas empresas que utilizam a rede para negociar com seus clientes e fornecedores, até as grandes, e que estejam implementando uma VPN global.

Agora ficou mais fácil entender o que é o MPLS? Como essa tecnologia auxiliaria o processamento de dados da sua empresa? Deixe seu comentário.

Receba informações e dicas exclusivas em TI e Telecom, assine nossa Newsletter:

Deixe seu comentário