Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Gestão sustentável nas micro e pequenas empresas

Algar Telecom | 10 de junho de 2016

O conceito de desenvolvimento sustentável (DS) apresentado pela World Commission on Environmental Development, em abril de 1987, através do relatório Nosso Futuro Comum, também conhecido como Relatório Brundtland, foi: “o desenvolvimento que encontra as necessidades do presente sem comprometer a habilidade das futuras gerações de encontrar suas próprias necessidades”.

Todavia, no âmbito empresarial, o conceito de desenvolvimento sustentável foi definido pelo World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) como “o alcance do equilíbrio entre as três dimensões que balizam a sustentabilidade: economia (diferencial competitivo), meio ambiente (eco eficiência das operações) e a sociedade (responsabilidade social)”.

Ou seja, muito além de práticas relativas ao meio ambiente, como a preocupação com o desperdício de papel, material e energia, a sustentabilidade tem várias vertentes e pode se traduzir em diversas maneiras dentro do ambiente empresarial. Desde a reciclagem de papel até a preocupação com o bem-estar dos funcionários.

Por que sua empresa deve ser sustentável?

Poucos empreendedores têm consciência de que seu negócio impacta toda a sociedade (no pagamento de impostos, empregando pessoas e fazendo uso dos recursos ambientais e sociais de todos) e que, apesar de acreditarem que a implementação dos princípios da sustentabilidade gere mais custos, combinar esses dois itens pode não só ser possível como também estratégico. A utilização de novas tecnologias e a busca pela inovação de produtos e processos que sejam sustentáveis pode, por exemplo, atrair consumidores, que estão cada vez mais atentos às práticas das empresas relacionadas ao meio ambiente. O que pode gerar uma fonte de receita para as MPEs.

Nas últimas décadas, houve uma mudança de perfil do consumidor, que tem exigido cada vez mais produtos e atitudes ecologicamente corretas por parte das empresas. Tal mudança de perfil e tendências deve ser acompanhada de perto pelos administrados que visam continuar no mercado e também buscam o crescimento e a expansão do negócio. Ou seja, os princípios da sustentabilidade não devem ser vistos como uma ameaça externa às MPEs, mas sim como uma oportunidade de novos negócios.

Ou seja, a vantagem competitiva das MPEs pode estar no ato de aliar a as práticas sustentáveis ao retorno financeiro. O empresário deve se preocupar em fazer dessas práticas um diferencial do seu negócio, que o destaque perante a concorrência. Dado esse novo perfil dos consumidores, os empreendimentos que não forem capazes de se distinguir dos seus concorrentes poderão não ser capazes de crescer no longo prazo.

No entanto, o foco não deve estar somente no lucro, é preciso que haja também a preocupação com o papel desempenhado pelas empresas na sociedade, visto que este é o conceito que rege a sustentabilidade. No mundo atual, as empresas que não demonstram preocupação com o impacto que causam com o desperdício de material e energia ou com a segurança e o bem-estar de seus funcionários, colaboradores e fornecedores, podem sentir facilmente os efeitos dessas escolhas e estar caminhando para o fracasso. Empreendimentos que negligenciam seus funcionários e o meio ambiente sofrem um impacto direto no desempenho de seus negócios, na produtividade e, consequentemente, no lucro.

As micro e pequenas empresas são fundamentais na disseminação de práticas de sustentabilidade, visto que são essenciais para a economia do país. Sendo assim, a adoção de práticas sustentáveis pelas MPEs deve ser vista como um catalisador de seu crescimento e não como um empecilho.

E a sua empresa adota práticas sustentáveis? Compartilhe conosco sua experiência!

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: