Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Como usar os Smart Beacons para melhorar o relacionamento com o cliente

Algar Telecom | 1 de dezembro de 2016

Se existe um denominador comum no mercado atualmente, o nome dele é informação. Quem pesquisa, desenvolve ou produz está em busca de informação para inovar processos e produtos. Já quem vende sabe que ela é a chave para a eficiência das estratégias de vendas. Por outro lado quem consome também está em busca de conhecimento para não perder tempo com aquilo que não é do seu interesse.

Essa informação é mesmo o grande trunfo de quem busca as melhores oportunidades de negócios e as melhores experiências de consumo. Então, nada mais pertinente que falarmos de uma tecnologia que está ganhando espaço e se tornando referência em transformar informação em negócios: os smart beacons.

Os smart beacons, traduzidos para o português como faróis inteligentes, são dispositivos de proximidade que emitem informações para smartphones e tablets por meio da tecnologia Bluetooth 4.0 ou BLE (Bluetooth Low Energy). Ele capta dados e informações de coisas e pessoas por geolocalização, fornecendo insights para a gestão de ações tanto de logística e controle de vendas, como do comportamento do consumidor no ponto de venda.

É perceptível que existem outras aplicações para os smart beacons, mas eles vêm ganhando mais destaque nas lojas de varejo, com o objetivo de promover uma interação mais rápida de possíveis clientes com seus interesses.

Os beacons se mostram uma ferramenta importante para os pontos de venda físicos, que têm no universo virtual um forte concorrente. Lojas virtuais já têm ferramentas eficazes para identificar as preferências e o comportamento do consumidor, o que confere vantagem competitiva em relação ao ambiente off-line. No entanto, os smart beacons podem modificar significativamente esse cenário.

Como os smart beacons funcionam

Os smart beacons podem ser instalados em paredes, prateleiras, produtos ou vitrines. Sergio Percope, diretor da Hands Mobile Advertising e um dos principais defensores dessa tecnologia “personalizável”, explicou, em entrevista ao portal Proxxima, que os smart beacons trabalham em conjunto com o smartphone do cliente, que deve estar com Bluetooth ativado e também deve ter um aplicativo da loja instalado.

Não há necessidade de acesso à internet, já que os smart beacons utilizam o Bluetooth do smartphone para enviar as mensagens. O beacon fala com o cliente por push notifications. O aplicativo vai arquivar todo o histórico do cliente com a loja e isso é o que possibilita a oferta de mensagens individualizadas.

Essa tecnologia permite várias possibilidades para transmitir informações de interesse em tempo real. Um exemplo prático da aplicação dessa tecnologia poderia ser visto em uma loja de perfumes, onde ao se aproximar da vitrine, a pessoa recebe detalhes dos frascos de perfume expostos, como os tipos de nota – se é floral, amadeirado ou cítrico, quanto custa, as opções de tamanhos, entre outras informações de interesse.

Com os smart beacons também é possível identificar o consumidor que está entrando no estabelecimento, conhecer o comportamento dele dentro da loja, a quais seções  ele vai com mais frequência e o que ele normalmente compra.

Dessa forma, baseado na identificação dos hábitos de consumo, os smart beacons transmitem ofertas e informações exclusivas sobre os produtos enquanto o cliente está passando por eles. Essa é uma ação muito mais assertiva e segmentada e que faz diferença na hora de converter uma venda.

Em um supermercado, por exemplo, o consumidor pode, além de ofertas, receber dados dos produtos, como informações nutricionais e até mesmo receitas. Outros aplicativos podem criar listas de compras e mapear o local com a indicação de onde estão as mercadorias que o cliente procura. Que consumidor nunca se sentiu perdido em uma grande loja ou nunca ficou em dúvida sobre um produto ou outro? Essas carências são as oportunidades que os beacons podem suprir.

Beacons para vários tipos de serviços e segmentos

Qualquer estabelecimento comercial que queira sofisticar as relações com seus clientes pode recorrer aos smart beacons. Além das lojas de varejo, outro segmento que desponta é o de lanchonetes, bares e restaurantes. Nesses casos, os smart beacons são utilizados para exibir cardápios pelo smartphone do cliente ou ainda permitir o pedido e pagamento também pelo aparelho celular.

A área da saúde também é outra aposta para utilização de beacons. Os dispositivos podem ser usados para armazenar os dados do paciente, evitando erros dos prontuários manuais.

Outra aplicação possível para os beacons é na circulação dentro de edificações.  Os beacons podem triangular os sinais para obter um posicionamento exato dentro de prédios, como escolas, clubes, bibliotecas e outros.

Existem projetos de guias de turismo, nos quais os smart beacons podem transmitir informações relevantes sobre determinado lugar diretamente ao smartphone do visitante.

Existe, ainda, o uso dos smart beacons relacionado ao conceito de internet das coisas. Nesse caso, os beacons agiriam como facilitadores para configurar um ambiente de acordo com a pessoa que está lá – temperatura do ambiente, volume do som, intensidade das luzes, funções de televisores e outros aparelhos.

Os beacons também podem servir como poderosos aliados para a segurança, fazendo o rastreamento de objetos, pessoas, máquinas ou veículos. Isso é o que indica o gerente de soluções móveis do Grupo Binário, Eduardo Díaz. Para ele, quando se trata da possibilidade de atuação dos beacons, o céu é o limite.

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: