Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Simples Nacional, lucro real ou lucro presumido

Algar Telecom | 16 de fevereiro de 2017

Conhecer e conseguir identificar o regime tributário mais adequado para a sua empresa pode fazer toda a diferença nos resultados obtidos. Com o regime certo, seu negócio não apenas se mantém regular como pode garantir o pagamento de impostos mais baratos. Atualmente, os três principais regimes aplicáveis às pequenas empresas brasileiras incluem Simples Nacional, Lucro Presumido e Lucro Real. Nesse artigo, você entenderá suas principais características, confira:

Simples Nacional

O Simples Nacional é um regime de tributação e arrecadação de impostos criado em 2006 (antes disso, tinha outro nome e funcionava sob regras diferentes) que tem como objetivo simplificar o pagamento de tributos por microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP), além de oferecer um tratamento diferenciado às mesmas.

Os impostos contemplados pelo Simples Nacional incluem IRPJ, CSLL, ISS, INSS, ICMS, IPI, PIS e COFINS. O Simples também facilita todo o processo de contabilidade da empresa, diminuindo os gastos necessários para garantir sua regularidade fiscal.

O perfil das empresas que seguem o Simples Nacional é:

  • Empresas com margens de lucro médias e altas
  • Onde os custos operacionais sejam baixos
  • Que haja uma boa participação das despesas com folha salarial
  • Que negocie mercadorias não beneficiadas por redução da base de cálculo do ICMS
  • Que não tenha mercadorias no regime de Substituição Tributária
  • Que os consumidores não necessitem de créditos de ICMS, PIS ou COFINS, ou seja, que sejam clientes finais

Lucro Presumido

O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL). Ou seja, para as empresas que adotarem esse tipo de regime, o IRPJ e a CSL têm por base uma margem de lucro pré-fixada por lei.

De acordo com o SEBRAE, na atividade comercial, por exemplo, a margem de lucro presumida é de 8% da receita bruta. Já na prestação de serviços, a margem é de 32%. Dessa maneira, mesmo que a empresa tenha obtido uma margem de lucro maior, a tributação recairá apenas sobre a margem pré-fixada.

Mas, atenção: se a margem de lucro efetiva for inferior à pré-fixada, os impostos serão calculados sobre a margem presumida. Nesse ponto, uma decisão precipitada do empreendedor pode acarretar recolhimentos desnecessários de tributos.

O Lucro Presumido pode ser interessante para:

  • Empresas com margens de lucro acima da margem de presunção
  • Onde as despesas com folha de pagamento não sejam muito altas
  • Onde os custos operacionais sejam relativamente baixos
  • Que comercialize mercadorias no regime de substituição tributária
  • Que comercialize mercadorias que usufruam do benefício de redução da base de cálculo (incentivo fiscal)
  • Empresas em que o sistema cumulativo do PIS / COFINS não seja prejudicial se comparado ao sistema não cumulativo presente no Lucro Real

Lucro Real

O Lucro Real é um regime tributário calculado com base no lucro total dentro de determinado período. Ao optar por esse regime, o empreendedor deverá calcular o IRPJ e a CSL sobre o lucro efetivamente auferido (com os ajustes – adições, exclusões e compensações – previstos na legislação).

Nesse caso, não havendo uma margem de lucro presumida, se a empresa apurar prejuízos ao longo do ano, ficará dispensada do recolhimento desses tributos.

No lucro real, um controle fiscal e de registro mais rígido é essencial, visto que não deve existir qualquer divergência nos dados para os resultados serem confiáveis. E essa necessidade maior de controle também traz uma significativa vantagem secundária: regularidade fiscal.

Ao optar pelo lucro real, o empreendedor deve estar ciente de que precisa assumir a obrigatoriedade de escrituração comercial e fiscal rigorosa e adequada, propiciando uma melhor organização na empresa para estar sempre a par de seu estado financeiro real. Nessa melhor organização da empresa estão inclusos: Inventário; Demonstrativo de Resultados (DRE), Relatório de Lançamentos no Caixa e etc.

Normalmente o perfil das empresas que seguem esse regime é:

  • Possuem margens de lucro baixa ou prejuízo
  • Possuem altos custos de operação com aluguéis, fretes, matéria prima e energia elétrica
  • Transacionam com mercadorias com redução da base de cálculo (incentivo fiscal)
  • Possuem mercadorias no regime de Substituição Tributária

Uma decisão precipitada do empreendedor sem o devido planejamento pode acarretar recolhimentos de impostos desnecessários. Portanto, para escolher o modelo ideal para a sua empresa, o auxílio de um contador se faz necessário. Esse profissional poderá indicar o melhor caminho, além de fazer todos os cálculos necessário.

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: