Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

A era biônica está chegando: entenda suas aplicações

Cristina Cruz | 31 de maio de 2016

Sabe aquela frase que diz que nada é impossível? Para a ciência biônica e a tecnologia, esse conceito está cada vez mais próximo da realidade. Isso pode ser demonstrado pelo desenvolvimento dos modelos biônicos, peças que estendem as capacidades humanas e ajudam as pessoas que têm algum tipo de deficiência a aumentar seu potencial.

Em filmes e outras histórias fictícias, faz tempo que conhecemos seres humanos com alguma habilidade melhorada pela tecnologia, ou corpos quase totalmente biônicos, como o Ciborg, do universo dos quadrinhos da DC Comics. Mas, na vida real, essa tecnologia já é observável em experimentos científicos e protótipos de diversos tipos, como replicação de órgãos, devolução da visão e braços mecânicos comandados pelo pensamento.

As possibilidades são muitas e tendem a crescer de forma constante, ao aliar ciência e tecnologias cada vez mais avançadas, aproximando-se de nosso dia a dia. Nesse texto, a ideia é apresentar algumas dessas perspectivas e como elas já estão sendo aplicadas. Vamos lá?

Avanços em prol da saúde

As próteses são um tipo bem conhecido de tecnologia biônica. Substituindo membros como pernas e braços, elas tornam possível a ação de um atleta ou mesmo a possibilidade de uma criança escrever. Seguindo essa ideia, um pesquisador da Califórnia criou um chip que pode substituir o hipocampo, parte do cérebro que controla a memória e a compreensão espacial, o que será útil em casos de Alzheimer e derrames. No entanto, um implante no cérebro é muito mais complicado. Por isso, são necessários muitos testes.

Outra iniciativa de pesquisadores criou células artificiais que podem imitar a movimentação dos glóbulos brancos pelo corpo. Feitos de polímeros, esses protótipos são muito úteis para a medicina, uma vez que permitem levar remédios para locais necessários do corpo, ajudando a combater doenças como o câncer.

Pessoas com disfunções renais que passam por longos tratamentos de diálise terão seus problemas resolvidos: um rim artificial portátil, pequeno, leve e automatizado, que pode ser usado o tempo todo. Assim, não será mais preciso ficar horas ligado a um aparelho para que as necessidades fundamentais, como limpeza do sangue, sejam realizadas.

Outro órgão que também teve um modelo artificial pensado é o pâncreas. O modelo artificial portátil será uma mistura de duas tecnologias já existentes: a bomba de insulina e o monitor de glicose. Com isso, o pâncreas irá monitorar o açúcar no sangue e ajustar o nível de insulina necessário para o corpo, o que será muito benéfico para quem tem diabetes e precisa de monitoramento constante.

Outros estudos estão sendo realizados em várias partes do mundo, por universidades e governos, em busca de melhorias constantes nos tratamentos. Como é o caso do estudo que dura desde 1960 em torno do tecido ósseo que cresce sozinho. O importante é manter o foco e não desistir.

Tecnologia a serviço da qualidade de vida

Além de pesquisas envolvendo melhorias nos tratamentos de saúde, uma das maiores conquistas da era biônica são as próteses, uma interação entre a biologia e o design tecnológico. Quem cita essa relação é Hugh Herr, chefe do grupo de Biomecatrônica do Massachussets Institute of Technology (MIT) Media Lab, nos Estados Unidos, em conferência do TED no ano de 2015. O estudioso é um dos exemplos de suas próprias pesquisas: há 30 anos, ele perdeu as duas pernas em um acidente e utiliza membros biônicos.

No MIT, ele e sua equipe criaram a nova classe de próteses bio-híbridas inteligentes e exoesqueletos, que têm o objetivo de melhorar a qualidade de vida de milhares de pessoas com deficiências físicas. Um exemplo dos grandes avanços das pesquisas do instituto é uma prótese que reproduz uma perna inteira, do quadril ao pé, que possui um dispositivo capaz de imitar uma perna natural, possibilitando a pessoas amputadas andar e correr com níveis iguais a uma perna biológica.

Alguns braços biônicos funcionam com a força do pensamento, imitando os comandos biológicos enviados pelo cérebro ao corpo. Nesse caso, o braço artificial se liga ao cérebro pelos nervos motores e, quando a pessoa decide mexer o membro, os nervos enviam o sinal para o braço biônico, se tornando um processo natural. A intenção dos pesquisadores, como diz Hugh Herr, é melhorar ainda mais o processo e a utilização de membros biônicos, comunicando sensações, como temperatura e pressão, e adequando ao ritmo dos órgãos normais.

Uma das propostas mais inovadoras dos estudos dessa tecnologia são as próteses de retina, que podem trazer aos cegos a chance de ver princípios de luz, movimento e forma. As próteses estão em fase de testes. Sua particularidade é gravar informações visuais básicas por meio de uma câmera, transformá-las em sinais eletrônicos e enviar a eletrodos implantados no paciente.

Potencializando as capacidades humanas

Os maiores exemplos da era biônica são os atletas paralímpicos. Nas modalidades do atletismo, por exemplo, as próteses de pernas são o ingrediente principal. E os esportistas são esforçados, treinam bastante e precisam se adaptar a um novo modo de correr, ou mesmo aprender a correr, no caso de quem nasceu com a deficiência. Ao observar esses esportes, é possível enxergar como as potencialidades humanas são aumentadas e como a era biônica é fundamental para que eles existam.

Além das Paralimpíadas, há também dançarinos, bailarinos, escaladores e cientistas, como Hugh Herr, que tiveram suas vidas transformadas pela tecnologia. Em sua palestra sobre os estudos da biomecatrônica, ele conta como a biônica definiu sua corporalidade na ocasião de seu acidente. “Naquele momento, eu não vi meu corpo como quebrado. Eu argumentava que o ser humano jamais pode estar quebrado. A tecnologia é que está quebrada. A tecnologia é que é inadequada”, disse.

A expectativa é que as aplicações da era biônica estendam-se e sejam potencializadas por novas tecnologias. Assim, cada vez mais pessoas terão seus desafios superados e a realidade tenderá a se diferenciar ainda mais, oferecendo novas possibilidades e criando novas chances para as pessoas.

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: