Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Terceira Plataforma: combinação de tecnologias virtuais e nuvem

Cristina Cruz | 26 de outubro de 2015

Para o mercado de TI, 2015 é o ano da Terceira Plataforma. Os profissionais estão se preparando para essa nova tendência, que irá abarcar interação social, mobilidade, nuvem e Big Data. Pesquisa da International Data Corporation (IDC) mostra que um terço dos gastos mundiais com Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) será direcionado para essa nova plataforma.

Especialistas reforçam algumas áreas relacionadas com a Terceira Plataforma que serão essenciais para sua ascensão no mercado. Patrick Hubbard, da SolarWinds, destaca os serviços em nuvem, que, segundo ele, “serão dominados por uma combinação de portabilidade de VMs (máquinas virtuais) e de nuvens híbridas”. Ele cita uma pesquisa da IDC que fala que as empresas passarão a gastar mais de US$ 100 bilhões em cloud e que deverão analisa a forma como oferecem suporte a essa rede complexa. “Serão criados provedores de ‘nuvem da nuvem’ e as PMEs e até as grandes empresas adotarão cada vez mais aplicativos baseados em SaaS (sites com serviços online na nuvem)”, diz.

O profissional cita também a evolução da lógica BYOD (bring your own device, em português, traga seu próprio dispositivo), que dá aos funcionários a possibilidade de utilizar seus aparelhos para acessar dados da organização e que 24% das empresas estão em busca de profissionais para trabalhar com aplicativos e dispositivos móveis, de acordo com estudo da Computerworld. Outro ponto a ser considerado é o crescimento da Internet das Coisas (IoT), com máquinas que se auto gerenciam pela web, um próximo desafio a ser encarado pelos empreendedores.

Thomas LaRock, também da SolarWinds, fala sobre como os profissionais devem fazer para trabalhar melhor diante dessa perspectiva da Terceira Plataforma. Ele diz que duas habilidades são fundamentais: a primeira é capacidade de fornecer e suportar uma arquitetura full time e mantê-la funcionando, e a segunda é capacidade de analisar grandes volumes de dados. Para as empresas acertarem nessa contratação, ele dá a dica: “A melhor coisa a fazer é verificar seu histórico de trabalho. Se o seu CV não estiver muito claro, então converse com o candidato. Se ele demonstrar que consegue se adaptar rapidamente a mudanças, então ele com certeza tem habilidade para trabalhar a Terceira Plataforma”.

Entenda como funcionam as três plataformas:

3pilares

 

Fonte do Gráfico: Revista Interface

Por: Maria Tereza Borges

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: