Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Por que criar uma estratégia de m-commerce?

Algar Telecom | 14 de abril de 2016

As compras online já fazem parte do dia a dia dos consumidores e, mesmo em tempos de crise, têm crescido. Segundo pesquisa realizada pelo PayPal o número de lojas online cresceu 21% entre 2015 e 2016. No caso do m-commerce, esse cenário é ainda melhor.

O consumo segundo o 33º relatório WebShoppers, feito pela empresa especializada em certificações dos consumidores a E-bit, também é crescente. Somente em 2015, o e-commerce brasileiro movimentou R$ 41,3 bilhões. O montante representa um aumento de 15,3% se comparado com o registrado em 2014.

Esse crescimento está diretamente ligado à praticidade, facilidade e comodidade que essas lojas oferecem ao consumidor, que pode escolher quando e onde comprar sem precisar sair do lugar. Tudo por meio de qualquer dispositivo que tenha conexão com a internet e na velocidade de um clique.

A aceitação é tão grande, que segundo levantamento da empresa referência em pesquisas da Nielsen, no Brasil 9 a cada 10 pessoas (96%) já fizeram compras online alguma vez. O que demonstra que esse tipo de comportamento veio para ficar.

Com isso não se pode pensar apenas no e-commerce voltado para Desktop. É preciso apostar também no m-commerce, que é a adaptação das lojas para a versão mobile, como smartphones e tablets, seja por meio de aplicativos ou sites responsivos.  

Embora pareça simples, essa modalidade exige uma atenção especial e uma estratégia diferenciada de investimento e marketing. Por isso, separamos dicas valiosas para que você saiba porque criar uma estratégia para m-commerce é tão importante.  

Mais de 80% preferem smartphone

O número de usuários de smartphones no Brasil já ultrapassou a marca dos 76 milhões no ano passado e a expectativa é que cresça cada vez mais. Para melhorar ainda mais essa notícia, o suplemento de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2014, apontou que pela primeira vez o acesso à internet via dispositivos móveis ultrapassou o acesso por meio de computadores.

O estudo também aponta que 80,4% dos lares brasileiros conectados à web preferem usar o telefone móvel para navegar. Outros dados que também foram apontados, sendo: 21,9% por tablet, 4,9% por TV e 0,9% por outros equipamentos.

Ainda de acordo com a pesquisa, os acessos por meio de tablet, de telefone celular e de televisão cresceram 50,4%, 76,8% e 116,34%, respectivamente, se comparados com a última pesquisa em 2013.

Esses dados comprovam que as empresas não devem torcer o nariz para o m-commerce ou olhá-la com certa distância. Hoje, o uso de dispositivos mobile está presente em praticamente todas as ações do dia a dia, desde pesquisas, aplicativos de mensagens e até mesmo as compras pelo celular.

Portanto, as empresas devem investir em recursos de mobilidade, pois não há retrocesso e a tendência é que os números de acesso a dispositivos móveis só cresça.

Vendas m-commerce crescem mais que e-commerce

A Coupofy, empresa líder em banco de dados de cupons online, divulgou no ano passado que as vendas no m-commerce cresce 300% mais rápido que no e-commerce. Ainda conforme o levantamento, até o final de 2016 as compras por meio dos dispositivos móveis devem crescer mais de 40%, 30% a mais que o e-commerce tradicional.

O estudo também comprovou que em países como Dinamarca, Suécia, Noruega, China e Espanha há registro de maior crescimento no m-commerce. Já no Brasil, as compras online pelo mobile commerce já representam 10% de todas as vendas. Um estímulo a mais para fazer o planejamento.

O motivo para o mobile estar em plena expansão pode ser resumido em uma palavra: comodidade. Comprar pelo telefone oferece praticidade e facilidade para o usuário, que prefere não ter que ligar o computador, abrir o navegador e escolher o produto para fechar determinada compra.

Por isso, ter um m-commerce bem estruturado e com uma infraestrutura que garanta uma experiência positiva de venda, deve fazer parte do seu planejamento.

Aplicativos são preferências

Os aplicativos exclusivos para versão mobile, independente do sistema operacional do smartphone, já não são considerados novidades no setor de vendas online,pois fazem parte do dia a dia do usuário e são cada vez mais populares. Logo, o uso deles tem se tornado indispensável.

Hoje, pensar em m-commerce é pensar em aplicativo mobile. Esse direcionamento pode garantir mais vantagens para o cliente,  além de um relacionamento diferenciado e mais próximo, já que é possível enviar notificações para a tela do smartphone, identificar melhor os gostos e fazer sugestões de compras sem lotar a caixa de e-mails dele com spam.   

Publicidade direcionada

As estratégias de marketing para o m-commerce são mais assertivas devido à quantidade de informação sobre o cliente que você pode ter quando ele descarrega o aplicativo ou acessa o site por meio de um smartphone.

Um grande exemplo é quando usuário faz o login na página por meio da rede social. Assim, é possível traçar com mais facilidade o perfil desse cliente e direcionar melhor a publicidade. Desta forma, você pode aumentar as vendas e fazer o marketing direto com o público-alvo.

Loja disponível 24 horas

Manter uma loja física aberta por 24h durante 7 dias da semana, é inviável. Isso por motivos de custos e também segurança. Quando a loja está na rede mundial de computadores essa dificuldade já não existe mais. Seus produtos, seus serviços, a facilidade que você oferece e o principal: a sua marca estão na vitrine o tempo todo.

Estão sempre expostos e prontos para serem lembrados e comprados.Você sabia que a maioria das pessoas acessam o smartphone já deitados na cama pouco antes de dormir?  Isso mesmo. Quase metade da população usa nesse horário. Já entre os adolescentes esse hábito chega a mais de 60%.

Por isso, ter uma estratégia de m-commerce é ainda mais importante. Já imaginou a sua loja ser a última página visitada antes de dormir?

 

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: