Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Comportamento organizacional: as atitudes exigidas pelas corporações

Algar Telecom | 20 de março de 2017

Toda empresa segue uma cultura que define quem ela é, quais são seus valores e o que ela pretende ao atuar na sociedade. Compor o quadro de talentos de qualquer empresa significa, então, estar de acordo com a conduta que ela considera importante. Afinal, os profissionais representam as organizações no mercado.

Esse conjunto de regras, atitudes e padrões exigidos para se trabalhar em uma empresa é o chamado comportamento organizacional. É preciso compreendê-lo não apenas como as normas que vão orientar a postura dos profissionais dentro da organização, mas como um conjunto de ações que podem impactar toda a cadeia de envolvidos, uma vez que o comportamento organizacional diz muito sobre a imagem da empresa externamente.

Os processos da organização dependem de um comportamento organizacional que passe por manutenção e melhorias constantes. Porque os resultados estão diretamente ligados à gestão de pessoas. Se há uma gestão bem organizada, é possível prever e atuar antecipadamente para evitar conflitos – individuais e entre funcionários –, delegar funções, exercer a liderança e alcançar metas estipuladas.

Vantagens de desenvolver o comportamento organizacional

O comportamento organizacional pode ser visto, em um primeiro momento, como uma preocupação secundária para as empresas. No entanto, ele é responsável por inúmeras vantagens relacionadas aos recursos humanos. Confira alguns dos benefícios de se desenvolver o comportamento organizacional.

Mantém os funcionários motivados

Determinar quais devem ser as regras para uma melhor convivência no ambiente de trabalho é um fator de motivação para os funcionários. Quando as normas são estabelecidas e fazem parte de uma política da empresa, os profissionais se sentem mais seguros e produzem melhor, considerando que a organização é bem estruturada e pode oferecer-lhe um plano de carreira, por exemplo.  A conduta bem vista dentro da empresa é considerada também para que os funcionários alcancem cargos de liderança.

Atrai e retém talentos

O clima organizacional é a chave para que talentos sejam atraídos e retidos na empresa. O profissional que tem a opção entre duas empresas semelhantes, com certeza escolhe aquela em que ele se sente melhor, em que os colegas são de boa convivência, em que os líderes são compreensivos. É por isso que, ao investir em comportamento organizacional, é preciso levar em consideração o clima, já que ele será responsável por manter bons profissionais na empresa.

Evita o turnover

O turnover é um problema enfrentado pela maioria das grandes empresas. Grande volume da força de trabalho vem da chamada Geração Y, ou Millennials, formada por jovens profissionais que, desde a infância, convivem com a internet e a agilidade das informações. Essas circunstâncias fizeram deles profissionais ansiosos, que esperam um rápido avanço na carreira e que não têm paciência para aguardar oportunidades. Sendo assim, qualquer contrariedade dentro da empresa é suficiente para pedirem demissão, desocupando uma vaga que logo é preenchida por outro profissional de mesmo perfil.

Portanto, investir em treinamentos que melhorem a convivência e instruam quanto ao comportamento organizacional desejado pela empresa é essencial para evitar essa rotatividade de pessoal. Os profissionais dessa geração precisam de orientação, já que estão ingressando no mercado de trabalho e não entendem ainda como são os processos em uma organização.

Promove harmonia entre os stakeholders

O comportamento organizacional é parte responsável de como a empresa é vista pela sociedade. Portanto, é preciso mostrar aos profissionais como a conduta deles é importante não apenas dentro da empresa, mas fora dela também. Se a organização se preocupa em manter um bom clima no ambiente interno, o relacionamento com os demais stakeholders também se torna harmonioso.

Os treinamentos realizados com os talentos da empresa devem considerar, portanto, o comportamento além dos muros da estrutura física. É importante que o funcionário compreenda que até mesmo o que ele posta nas redes sociais pessoais deve ser observado para uma imagem positiva da empresa.

Espaços de relaxamento mudam rotina de empresas

Empresas mais modernas e que dão valor às inovações têm apostado em espaços de relaxamento para melhorar o comportamento organizacional e, mais do que isso, estão colhendo maior produtividade: de 30% a 50%. O exemplo mais conhecido é o Google, que apostou em ambientes coloridos, sofás e salas de jogos para uso dos funcionários. Mas esse foi apenas um modelo que ganhou corpo em outras organizações. A Algar Telecom possui o Espaço Inovação, que conta com um ambiente mais descontraído, sem divisórias, aberto aos associados para que discutam novos projetos e também para arejar as ideias.

Uma pesquisa da Sociedade Americana de Designers de Interiores (American Society Interior Designers) identificou que a terceira maior preocupação dos funcionários é um ambiente de trabalho satisfatório (21%), ficando atrás apenas de bons salários (62%) e benefícios sociais (22%). O estudo reflete a realidade também no Brasil, onde é possível observar como o comportamento organizacional melhora quando há uma infraestrutura que permita ao colaborador mais descontração. Um local que gere identificação com quem trabalha nele é, com certeza, um ambiente em que a pessoa tem mais disposição. Diferente disso, o funcionário não rende, olha o relógio o tempo todo, esperando o momento de poder voltar para casa.

Sendo assim, diferente do que se poderia imaginar a princípio, investir na infraestrutura do ambiente de trabalho também significa investir em comportamento organizacional. As empresas têm criado normas mais flexíveis justamente para manter o colaborador mais próximo. É um erro enxergar essa decisão como descontrole na organização. Pelo contrário, a Geração Y valoriza empresas que se preocupam com o seu bem-estar. Se a sua empresa quer atrair esses jovens, que têm muito a contribuir, trazendo os mais recentes conhecimentos das universidades, aposte em um ambiente convidativo.

Jovens necessitam de orientação para o ambiente de trabalho

Por outro lado, se esses jovens têm muito conteúdo aprendido na faculdade, precisam de orientação quando o assunto é relacionamento profissional. Muitos chegam sem nenhuma noção de como conversar ou se vestir para o trabalho. Para reter esses novos profissionais, é necessário investir em treinamentos que instruam como lidar com dificuldades, como ter um bom relacionamento com os colegas, como conviver com as diferenças, como ter uma postura ética, entre outros aprendizados. Mais do que isso, é importante também dar dicas de conteúdos escolares básicos, que muitas vezes não são apreendidos pelos jovens, como língua portuguesa – para se comunicar oralmente ou por escrito – e noções de matemática – para operações simples que, em alguns momentos, são necessárias no dia a dia, até mesmo em áreas que não envolvem a matemática diretamente.

O déficit de atenção também é um importante ponto a ser tratado nos treinamentos, segundo o superintendente educacional do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), Eduardo de Oliveira. Entre os empregadores, há uma queixa em relação à execução das funções determinadas aos jovens profissionais. Por estarem acostumados a fazer muitas atividades ao mesmo tempo, pode ser maçante desempenhar uma função que exija concentração absoluta em uma única tarefa. Esse, portanto, também deve ser um dos conteúdos a serem abordados em um treinamento, visando capacitar os funcionários à realidade do ambiente de trabalho.

E, você, de que maneira desenvolve o comportamento organizacional na sua empresa? Também percebe essa dificuldade em lidar com profissionais da Geração Y? Deixe-nos o seu comentário.

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: