Receba conteúdo diretamente no Messenger Podcasts exclusivos, direto no Spotify

Infográfico: Natal 2017 – As expectativas do comércio

Algar Telecom | 20 de dezembro de 2017









Natal 2017 – As expectativas do comércio

O Natal é a principal data para o comércio brasileiro, responsável por movimentar todos os setores – de vestuário a brinquedos, passando por perfumes, cosméticos, eletrônicos e alimentos.

Nesta data comemorativa, a pluralidade é muito grande, todos os segmentos são vencedores. É a primeira colocada entre as datas mais importantes, com uma boa margem de distância.

Vendas de Natal devem ser as melhores dos últimos 3 anos.

A Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que o varejo movimente R$ 34,3 bilhões em vendas no Natal de 2017, um crescimento de 4,3% em relação ao mesmo período do ano passado.

O mercado de trabalho brasileiro movimentou R$ 188,1 bilhões em salários no terceiro trimestre do ano. O resultado representa quase R$ 7 bilhões a mais em circulação na economia no período de um ano, impulsionando a expectativa de venda para o próximo Natal.

A CNC estima que o varejo movimente R$ 34,3 bilhões em vendas no Natal de 2017, um crescimento de 4,3% em relação ao mesmo período do ano passado, após dois anos seguidos de perdas.

Para o próximo Natal, a CNC projeta a geração líquida de 73,1 mil vagas temporárias. Somente o segmento de vestuários e calçados deve responder por 66,9% desses postos de trabalho. Os ramos de artigos de uso pessoal e de móveis e eletrodomésticos vão oferecer 16,4% desses empregos.

Outro ponto positivo que leva às boas vendas no fim de ano é a injeção de R$ 15,9 bilhões na economia, a partir deste mês, com os saques das contas do PIS/Pasep. A medida, autorizada pelo governo, deve favorecer cerca de 8 milhões de consumidores.

Otimismo

As vendas no Natal devem registrar o melhor desempenho dos últimos quatro anos

2009: 6,6

2010: 9,4

2011: 7,6

2012: 8,1

2013: 5,0

2014: 1,8

2015: -5,0

2016: -4,9

2017: 4,3

(Período: volume em %)

Vagas temporárias

Com a perspectiva de mais vendas, a quantidade de empregos provisórios gerados deve ser maior do que no ano passado

2009: 91,9

2010: 106,2

2011:109,3

2012: 113,7

2013: 123,6

2014: 114,9

2015: 78,6

2016: 66,7

2017: 73,1

(Período Vagas – em mil)

Vários segmentos estão otimistas com as vendas e vão contratar trabalhadores temporários:

Vestuário e calçados: 48,9

Hiper e supermercados: 10,4

Artigos de uso pessoal: 8,3

Móveis e eletrodomésticos: 3,7

Farmácias e perfumarias: 1,1

Demais segmentos: 0,7

(Atividade Vagas – em mil)

Conclusão

As expectativas para o Natal são positivas não apenas por um benefício exclusivo e temporário do varejo. A previsão de melhora das vendas é um sinal de que o consumo das famílias, que responde por cerca de 60% do PIB, está dando sinais de retomada, ainda que lentamente. E a perspectiva de empregos temporários reforça a confiança dos empresários, que tendem a elevar os investimentos no médio prazo. São sinais macroeconômicos fundamentais para garantir um crescimento sustentado da economia.

Fontes:

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua)

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)

Posts relacionados:

Para melhorar sua experiência,
selecione um perfil de conteúdo: